A mutação do cinema de David Cronenberg

Maps-to-the-Stars

Mapas Para as Estrelas (2014)

Mapas Para as Estrelas, trabalho mais recente de David Cronenberg, estreou há poucas semanas no Brasil. E, assim como em Cosmópolis, de 2012, me peguei esperando ver algo que remetesse ao passado do diretor, aqueles filmes pesados de horror gráfico. Quando saí da sessão, a ficha caiu: aquele cineasta não existe mais. Assim como o homem sofria mutações em suas obras dos anos 1980 e 90, a filmografia do canadense também se metamorfoseou a partir da virada do século.

Continuar lendo

O Mensageiro do Diabo (1955), de Charles Laughton

thenightofthehunter

Já que no último texto comentei sobre filmes que tratam a infância como ela realmente é – um período rico, complexo e difícil da vida -, decidi permanecer no tema ao lembrar de um clássico esquecido. O ator inglês Charles Laughton  já era consagrado quando, sem experiência alguma em direção, fez uma das mais sombrias fábulas infantis do cinema: O Mensageiro do Diabo.

Continuar lendo

A infância como ela é

casadoamigo

Onde Fica a Casa do Meu Amigo? (1987), de Abbas Kiarostami

Um dos momentos mais ricos da vida é a infância. No entanto, ser criança só parece fácil. Claro que existe a facilidade de não possuir grandes responsabilidades, mas o choque entre a inocência e a aspereza do mundo sempre está lá para confundir a cabeça. Vendo O Garoto da Bicicleta, dos irmãos belgas Jean-Pierre e Luc Dardenne, me recordei de vários momentos especiais nos quais o cinema conseguiu captar, de forma séria, o espírito errante infantil. Criança não é burra ou alienada, como bem provam Truffaut e Kiarostami, por exemplo.

Continuar lendo

Tempestade Sobre Washington (1962), de Otto Preminger

advise

“Esta é Washington D.C., cidade da mentira. Os outros sabem que você está mentindo, e também sabem que você sabe que eles sabem”. A frase do protagonista de Tempestade Sobre Washington, o senador indicado a Secretário de Estado americano vivido por Henry Fonda, resume o espírito dessa obra-prima política. Otto Preminger fez um retrato ao mesmo tempo sisudo, sarcástico e desencantado sobre a vida pública dos Estados Unidos – mas com um quê de universal, afinal, política é política em qualquer lugar do mundo.

Continuar lendo

Joseph Losey: cruel observador da realidade

estranho_acidente

Estranho Acidente (1967)

Na década de 1950, durante a chamada “caça às bruxas ao comunismo” conduzida nos Estados Unidos pelo senador Joseph McCarthy, existia uma “lista negra” em Hollywood. Quem fosse acusado de ser simpatizante da esquerda política encontrava dificuldades para trabalhar no mercado cinematográfico. O diretor Joseph Losey fazia parte do fatídico grupo. Teve até que se mudar para a Europa pra conseguir filmar com regularidade. Toda a hipocrisia e a falsa moralidade vividas por ele durante o incidente se tornaram temas recorrentes em sua filmografia, produzida principalmente na Inglaterra. O verniz dos bons valores e da normalidade que cobre a sociedade não resiste ao olhar desencantado de Losey.

Continuar lendo

O Abutre (2014), de Dan Gilroy

nightcrawler

O fator mais impressionante de O Abutre é a forma como atualiza os temas de um clássico do cinema, Taxi Driver. Se no filme de Martin Scorsese o protagonista busca salvar sua metrópole da escória que a habita, mesmo que faça isso por vias tortas, o longa de Dan Gilroy mostra um homem apenas interessado em se alimentar da esquizofrenia da cidade grande. Sinal dos tempos.

Continuar lendo