A mutação do cinema de David Cronenberg

Maps-to-the-Stars

Mapas Para as Estrelas (2014)

Mapas Para as Estrelas, trabalho mais recente de David Cronenberg, estreou há poucas semanas no Brasil. E, assim como em Cosmópolis, de 2012, me peguei esperando ver algo que remetesse ao passado do diretor, aqueles filmes pesados de horror gráfico. Quando saí da sessão, a ficha caiu: aquele cineasta não existe mais. Assim como o homem sofria mutações em suas obras dos anos 1980 e 90, a filmografia do canadense também se metamorfoseou a partir da virada do século.

Continuar lendo

Anúncios

Joseph Losey: cruel observador da realidade

estranho_acidente

Estranho Acidente (1967)

Na década de 1950, durante a chamada “caça às bruxas ao comunismo” conduzida nos Estados Unidos pelo senador Joseph McCarthy, existia uma “lista negra” em Hollywood. Quem fosse acusado de ser simpatizante da esquerda política encontrava dificuldades para trabalhar no mercado cinematográfico. O diretor Joseph Losey fazia parte do fatídico grupo. Teve até que se mudar para a Europa pra conseguir filmar com regularidade. Toda a hipocrisia e a falsa moralidade vividas por ele durante o incidente se tornaram temas recorrentes em sua filmografia, produzida principalmente na Inglaterra. O verniz dos bons valores e da normalidade que cobre a sociedade não resiste ao olhar desencantado de Losey.

Continuar lendo

William Friedkin: um marginal em Hollywood

friedkin

Após breve comentário sobre o regular Killer Joe, último filme de William Friedkin, no último post, nada mais correto do que analisar a fase áurea desse diretor essencial para o cinema dos anos 1970. Continuar lendo

Marcello, o italiano comum

marcello2

Marcello Mastroianni não representava nas telas apenas o típico galã italiano, cujo charme irresistível arrebata os corações femininos. Seus papéis, em geral, são a síntese do homem moderno do século 20, dominado pelas angústias e inquietações da existência. Continuar lendo

Qual o segredo de Bergman?

As histórias narradas pelos filmes de Ingmar Bergman, na maioria das vezes, são reduzidas ao mínimo. Em menos de uma linha, torna-se possível resumir várias de suas tramas: a disputa entre pai e filho pelo amor de uma cantora de cabaré; a viagem de um velho professor para receber um prêmio honorário; a vingança de um pai após o estupro e o subseqüente assassinato da filha; a enfermeira que cuida de famosa atriz em uma praia deserta; a mulher moribunda em uma casa amparada pelas irmãs.

Continuar lendo