A novela de ontem e a novela de hoje

aguaviva

Como principal produto da televisão brasileira, a novela deveria ser mais bem cuidada por quem as cria – emissoras, escritores, diretores. Não digo isso por apreciar e defender a dramaturgia nacional para TV. A reciclagem de temas, recontando o já contado inúmeras vezes, beira o inacreditável. Do texto, não se tira quase nada: desenvolve mal temas amplos e relevantes para a sociedade; foca em tramas que não fazem a narrativa andar; abusa do uso do clichê e da linguagem formal; retrata um país fictício, sem pobres, feios e derrotados. Se ao menos o desastre dos roteiros fosse compensado com uma forma inteligente de se filmar, estariam todos desculpados. Mas não temos nem isso…

A novela é uma verdadeira instituição cultural brasileira – e não vejo nada de ruim nesse fato. Só não entendo como, atualmente, um espetáculo tão ruim comove tanta gente. A grande máquina do marketing alimentada pelas emissoras explica o caso. A Globo – convenhamos, a única rede a tentar fazer televisão de forma séria – bombardeia seus espectadores com programas, reportagens e afins que tratam justamente de novelas. Só que o público também tem sua parcela de culpa. Ao longo dos anos, a audiência cresceu enquanto a qualidade dos trabalhos caiu. Isso comprova aquilo que já se sabe: a ausência de senso crítico do brasileiro em geral, nossa falta de vontade de ganhar cultura e tal. No entanto, a questão não é essa.

No último sábado, por acidente, assisti a uns minutos de Água Viva, novela da Globo de 1980. Passava naquele canal de reprises de programas da emissora, o Viva. Parei na frente da TV só pra rir um pouco de mais uma novela boba sendo retransmitida pela milionésima vez – sim, não era uma tarde produtiva. Pra minha sorte, queimei a língua: vi sequências cujo nível de direção supera qualquer coisa vista na televisão brasileira moderna.

Os personagens de Reginaldo Faria e Ângela Leal descansavam em um parque, acompanhados por várias crianças correndo e brincando – não sei qual a relação entre os adultos e os pequenos. De repente, um zoom rápido se aproxima do rosto de Ângela, que grita de forma angustiada o nome de um dos garotos. Só após esse momento, vê-se o ocorrido: ele foi atropelado. O desespero da situação se traduz na câmera inquieta, que não para de se movimentar enquanto registra os personagens correndo na direção do acidente, tentando reanimar a criança. Rostos, braços que carregam um corpo desacordado, pessoas histéricas: nada fica muito tempo no quadro, em uma decupagem que orgulharia Samuel Fuller.

Reginaldo Faria e o motorista do carro rumam, então, para o hospital. O trânsito está infernal. O primeiro decide terminar o trajeto a pé, com o menino nos braços, pra ganhar tempo. Ao invés de optar pelo mais cômodo – cortar para o personagem chegando no pronto-socorro assim que ele desce do carro -, a direção alonga a cena para deixar o público ainda mais aflito, filmando todo o percurso de forma a captar a dificuldade da situação. Já dentro da sala de cirurgia, outra cena esteticamente bela: após mostrar o rosto ensanguentado da criança, a câmera passeia pelo local, no qual os médicos se preparam para a operação, até chegar à porta, por onde se vê Faria e mais alguém (não lembro se era o motorista) espiando através do vidro.

É pedir muito que uma novela atual seja minimamente criativa, no quesito imagético, tal como uma de trinta anos atrás? Não sei se o nível técnico de Água Viva era realmente alto ou se aquelas sequências foram exceções. Isso não tira o mérito de essas cenas, mesmo isoladas de seu contexto, exalarem paixão pelo ofício de filmar.

Nem imagino a dificuldade de se gravar um produto de massa como esse, cujo sucesso (audiência) deve ser medido dia após dia. Acontece que a Globo possui os melhores técnicos, equipamentos, orçamentos. Não é possível que um diretor de uma emissora desse porte fique satisfeito com o trabalho burocrático veiculado hoje, com valor artístico nulo.

Atualmente, constrói-se todo diálogo da mesmíssima maneira: a montagem simplesmente mostra quem fala, sem criar uma continuidade no espaço cênico. Parece que se esquecem do campo/contracampo do cinema clássico de Hollywood, arroz-e-feijão de qualquer obra audiovisual. Em cenas mais movimentadas (assassinatos, acidentes etc.), tascam câmera lenta, como se o público precisasse enxergar toda uma ação para entendê-la. E por aí vai.

Alguém ganha em produzir produtos mais elaborados? É provável que não, pois o trabalho seria ainda maior. Então, as coisas ficam como estão. Evitar a fadiga, como dizia o outro. Não peço um Breaking Bad, um True Detective nacional – até porquê o próprio formato novelesco, com duração de meses a fio, superando os duzentos capítulos, dilui qualquer boa trama. Porém, queria ver mais coisas como Água Viva. Perdem os espectadores em geral, que poderiam educar o olhar, aprender coisas com as quais jamais teriam contato a não ser pela TV. Novela pode ser escapismo, mas nem por isso deve ter qualidade duvidosa.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s